SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Profissionais do HGE são orientados sobre os riscos da hepatite

Imprimir esta Notícia

1905-HEPATITE

Texto e foto: Thallysson Alves

A hepatite esteve em pauta durante palestra na Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Sipat), que está em sua sétima edição no Hospital Geral do Estado (HGE). Isso porque se sabe que o contágio pode acontecer também através de acidentes de trabalho, durante manuseio de materiais biológicos, o que preocupa principalmente a equipe do setor Qualidade de Vida no Trabalho (QVT).

Os vírus da doença mais frequentes são as do tipo A, B e C. “A hepatite é a inflamação do fígado. A do tipo A é transmitida por água e alimentos contaminados ou de uma pessoa para outra. Já a do tipo B é transmitida sobretudo pelo contato com o sangue infectado, assim como a do tipo C, que também pode ser transmitida pelo contato sexual.

Os sintomas das três envolvem febre, pele e olhos amarelados, náusea e vômitos, mal-estar, desconforto abdominal, falta de apetite, urina com cor escura e fezes esbranquiçadas”, explicou a infectologista Rosileide Alves. “Mas são as do tipo B e C que podem não apresentar sintomas e o portador evoluir para um quadro crônico e então para uma cirrose ou até câncer de fígado”, alertou.

A utilização correta dos equipamentos de proteção individual (EPIs) foi mais uma vez destaque como forma de prevenção da doença durante o trabalho, assim como foram indicados procedimentos que devem ser adotados em caso de acidentes com materiais biológicos.

“Se houver uma exposição cutânea, lava-se imediatamente o local com água e sabão ou detergente. Se for exposição de mucosa, lava-se imediatamente e de maneira exaustiva o local com soro fisiológico. Também é preciso investigar se houve a infecção por meio de exames no sangue do profissional e do paciente, sendo que esse último deve autorizar a coleta. Em caso de negação do paciente, o funcionário realiza apenas o seu exame e registra o fato na ficha de notificação do paciente. A partir daí trata-se o caso como ‘fonte desconhecida’”, orientou à infectologista.

A técnica de enfermagem Joelma Gomes da Silva foi uma das que acompanhou atentamente todo o conteúdo informativo passado pela infectologista. Para ela, o conteúdo fará toda a diferença durante a realização de seu trabalho.

“Na correria do dia a dia, parece que a gente esquece de tudo isso. É importante ter esses momentos, pois nos lembram dos riscos a que nos submetemos todos os dias, além de estarmos devidamente esclarecidos e orientados sobre a doença e o que devemos fazer em caso de acidente com algum material biológico”, afirmou.

Nesta quinta-feira (19), a programação será encerrada com palestras sobre gerenciamento de resíduos em serviços de saúde e o fluxo de acidentes de trabalho. Os presentes também receberão brindes e certificado de participação.

relacionadas

CIB