SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Samu aumentou em mais de 6% número de orientações médicas

Imprimir esta Notícia

SONY DSC

Texto e fotos: Arnaldo Santtos

Quem algum dia não precisou conversar com um médico urgente quando estava em casa com alguém doente? Acredito que todo mundo já passou por isso. Mas, o que tem a ver com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)? Bom, de janeiro a agosto deste ano, os médicos reguladores orientaram, por telefone, 28.551 pessoas que precisaram de algum tipo de informação médica. Uma média de 118,96 orientações por dia.

No ano passado, o número de orientações médicas ficou em 22.857, e este ano foram 28.551, ou seja, houve um aumento de 6,16 %. O dado indica que as pessoas estão cada vez mais procurando os serviços do Samu. Daí a importância que têm os profissionais para a população.

Para a coordenadora médica do Samu, Valdenice Oliveira, um dos atendimentos com orientação médica importante se refere ao engasgo com leite em recém-nascidos. Segundo ela, a principal orientação nesses casos é que a pessoa deve colocar a criança virada de barriga para baixo, para que o leite saia e a criança possa respirar normalmente.

Os dados referem-se à Central do Samu de Maceió (Macro I) que engloba 16 municípios: União dos Palmares, Viçosa, São Miguel dos Campos, Porto Calvo, Coruripe, Joaquim Gomes, São Luiz do Quitunde, Maragogi, Teotônio Vilela, Rio Largo, Murici, Marechal Deodoro, Barra de Santo Antônio, Colônia Leopoldina, São Miguel dos Milagres e Atalaia.

De acordo com a médica Cristiane Maria Veiga da Silva, as orientações são uma constante no dia a dia dos socorristas do Samu. Uma das causas mais frequentes é como proceder quando uma pessoa é atacada por escorpião.

Segundo ela, não existe um medicamento adequado e o procedimento ser refere a amenizar a dor provocada pela picada do inseto. “A orientação é que a pessoa coloque gelo no local e que procure um posto de saúde mais próximo para tomar um analgésico”, salientou.

Mordida por cachorro

Um fato que também desespera os familiares é quando uma pessoa é atacada e mordida por um cachorro. Neste caso, segundo Cristiane Veiga, há um medicamento específico e a vítima precisa, urgente, fazer uso dessa medicação. De acordo com ela, a mordida pode causar ferimentos e doenças como a raiva e outras zoonoses, devendo ser bem observada e tratada imediatamente.

Nos últimos meses, o número de pessoas atingidas pelos vírus transmitidos pelo Aedes aegypti, causador da chikungunya, zika e dengue foi muito grande. Por conta disso, muita gente telefonou e ainda telefona para o Samu solicitando algum tipo de orientação devido à gravidade das complicações clínicas, ou seja, dores nas articulações, febre.

“Neste caso, a orientação é que a pessoa procure um médico clínico para fazer os devidos exames, além do tratamento, visando constatar o agravo e tomar a medicação devida”, aconselhou Cristiane Veiga.

22677376116247714f85cd9939e9a716_l

relacionadas

CIB