SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Violência e empoderamento feminino são lembrados em palestra no HGE

Imprimir esta Notícia

Repórter: Neide Brandão

Repórter Fotográfica: Neide Brandão

Fatores como a criação da Lei Maria da Penha fortificam a importância das mulheres na sociedade atual, salientou Cosmélia Fôlha, presidente da Comissão de Direitos Sociais da OAB/AL, em palestra no Hospital Geral do Estado (HGE). Ela, juntamente com o advogado João Paulo Ximenes relacionaram os abusos da violência contra a mulher com o empoderamento feminino, que vem ocorrendo com as mulheres ao longo de décadas.

“O desenvolvimento da igualdade de gêneros vem sendo comentado nas atuais rodas de conversas em ambientes profissionais e familiares, empoderar mulheres e promover a equidade de gênero em todas as atividades sociais e da economia são garantias para o efetivo fortalecimento das economias atuais”, comentou.

De acordo com a presidente da Comissão de Direitos Sociais da OAB/AL, o impulsionamento dos negócios, a melhoria da qualidade de vida de mulheres, homens e crianças, e o desenvolvimento sustentável, podem ser associados ao empoderamento feminino.

Ximenes ressaltou que a Lei Maria da Penha despontou como um importante artifício no combate a violência contra a mulher. “Hoje, ela é capaz de coibir, a violência generalizada na sociedade. Agressão física, psicológica, sexual, moral e patrimonial, são formas de violência contra a mulher. Em um cenário sem a lei, possivelmente as taxas de homicídios de mulheres nas residências seriam bem maiores”, ressaltou.

Segundo o advogado, os motivos são atribuídos ao aumento da pena para o agressor, ao empoderamento da mulher, às condições de segurança para que a vítima denuncie e ao aperfeiçoamento do sistema judiciário de Justiça Criminal que atende de forma mais efetiva os casos de violência doméstica.

“Hoje, existem as articulações entre União, Estados, Distrito federal, municípios e de ações não-governamentais para combater e punir este tipo de violência, tendo por diretriz a integração operacional do Poder Judiciário, Defensoria e do Ministério Público”, complementou.

relacionadas