SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Vacinação contra o rotavírus humano está liberada em Alagoas

Imprimir esta Notícia
 
Repórter: Marcel Vital
Repórter Fotográfica: Carla Cleto

Ao contrário de outros Estados que tiveram a suspensão da distribuição e do uso de 16 lotes da vacina contra o rotavírus humano, Alagoas continua vacinando normalmente suas crianças. Isso acontece porque os lotes encaminhados pelo Ministério da Saúde (MS) para o Estado, entre janeiro e maio de 2017, não apresentam inconformidades.

Entre os lotes disponíveis na Central de Armazenagem e Distribuição de Imunobiológicos de Alagoas (Ceadi/AL), estão acessíveis os AROLB572AA, AROLB574AA, AROLB578AA e AROLB594AA. Com isso, segundo Arlete Farias, técnica do Programa Nacional de Imunizações (PNI) em Alagoas, os pais podem procurar os postos normalmente para vacinar seus filhos.

Ela relembrou que devem ser vacinadas as crianças menores de um ano, tendo em vista a proteção contra vômitos, febre alta e diarreia intensa. Conforme Arlete Farias “esse quadro pode causar desidratação, muitas vezes requerendo internação, evoluindo, inclusive, para a morte”, salientou.

De acordo com a técnica do PNI, a vacina é a melhor forma de proteger as crianças uma vez que, por ser uma doença de fácil contágio entre as pessoas e de curta incubação, as medidas tradicionais de higiene e de saneamento básico nem sempre são suficientes para sua prevenção.

A vacina se aplica em duas doses. “A primeira deve ser ministrada aos dois meses e a segunda aos quatro meses”, explicou a técnica do PNI em Alagoas, Arlete Farias. Ela acrescentou que, “se o bebê perder a primeira dose, não poderá mais ser vacinado”.

Sobre o rotavírus

É um vírus que causa diarreia grave, frequentemente acompanhada de febre e vômitos. É uma das principais causas de gastroenterites e de óbitos em crianças menores de cinco anos em todo o mundo. A maioria das crianças é infectada nos primeiros anos de vida e os casos mais graves ocorrem até os dois anos de idade, por meio do contato fecal-oral direto.

Conforme dados do Programa Estadual de Combate ao Rotavírus, de janeiro a maio de 2016, foram notificados dois casos em Alagoas. Em 2017, no mesmo período, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) não registrou nenhum caso.

relacionadas