SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Doze propostas de AL serão levadas à Conferência Nacional

Imprimir esta Notícia

Repórter: Marcel Vital

Repórter Fotográfica: Carla Cleto

Em continuidade à I Conferência Estadual de Vigilância em Saúde José Maria Constant, os usuários, prestadores de serviço e técnicos do Sistema Único de Saúde (SUS) reuniram-se na tarde desta terça-feira (12), para elaborar as 12 propostas e eleger os delegados para a Formulação da Política Nacional de Vigilância em Saúde, que será realizada em Brasília. Promovido pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e o Conselho Estadual de Saúde (CES/AL), o evento ocorreu no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, localizado no bairro Jaraguá, em Maceió.

O evento foi aberto com uma mesa composta pelo vice-presidente do CES/AL, Maurício Sarmento, além da assessora técnica da instituição, Marleide Lira, e a técnica da Vigilância Sanitária Estadual, Ione Almeida. Durante o encontro, foram discutidas a formulação e apreciação das propostas que foram realizadas com os gestores da I e II Macrorregiões, além da eleição dos 36 delegados que irão participar da Etapa Nacional.

No total, foram escolhidas 12 propostas para a I Conferência Nacional em Vigilância em Saúde, que vai ocorrer de 21 a 24 de novembro deste ano. Dentre as principais propostas, estão as que sugerem à reorganização e regulamentação a política nacional de vigilância e controle de zoonoses no país, a garantia de recursos federais para manutenção de um refrigerador com bateria para as salas de vacina dos municípios e o reconhecimento das categorias de Agente Indígena de Saneamento (AISAN) pela legislação brasileira.

Entre as propostas mais bem votadas durante a sessão, está a que fomenta no âmbito, do Sistema Único de Saúde (SUS), a atenção e proteção integral às pessoas em situação de violência e a garantia da permanência do bloco de financiamento de vigilância em Saúde na proposta de alteração do financiamento da saúde.

Também foram aprovadas a permanência e ampliação do Programa de Educação para o Trabalho (PET) Saúde GradaSUS nas universidades públicas, fomentando a integração ensino/comunidade/trabalhador de saúde, assim como a anulação da PEC 241/2016, garantido a otimização, melhoria e ampliação do piso dos recursos financeiros em Vigilância em Saúde com financiamento das três esferas. 

Para o assessor técnico em vetores, zoonoses e fatores ambientais da Sesau, Carlos Eduardo da Silva, os dois dias de evento serviram para pensar e formular as propostas que irão servir para elaboração de um documento norteador para o fortalecimento da vigilância em nível nacional e, obviamente, em nível local.

“Esta Conferência nos mostrou que existe uma necessidade de reafirmação daquilo que já vem sendo feito, bem como a abordagem de temas que ainda não tinham sido discutidos. A Vigilância contribui para a estruturação do SUS, mas esse apoio também depende da importância que é dada às políticas de Saúde. A articulação com vários setores é o objetivo a ser perseguido. Precisamos pensar juntos, para melhorar a Saúde e qualificar o SUS em nosso Estado”, destacou.

relacionadas