SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Fluxo oncológico tem início nas Unidades Básicas de Saúde

Imprimir esta Notícia

Repórter: Thallysson Alves

Repórter Fotográfico: Olival Santos

Se no autoexame algo parecer diferente ao menos em uma das mamas, o que fazer? A supervisora de condições específicas da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Fernanda Santos, orienta que rapidamente seja procurado atendimento médico em qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS). “A partir dessa consulta, o médico deverá preencher a solicitação de triagem oncológica e, se confirmado, iniciamos todo o tratamento”, destacou.

Esse é o fluxo inicial para usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). No auditório do Sindicato dos Médicos de Alagoas (Sinmed/AL), no Trapiche da Barra, ela explicou que as linhas de cuidado são estratégias de estabelecimento do “percurso assistencial”, com o objetivo de organizar o fluxo dos indivíduos, de acordo com suas necessidades.

“O segundo passo é a UBS registrar no Sistema de Regulação a consulta de triagem oncológica. Em seguida, o complexo regulador confirma a consulta com emissão do documento de marcação: dia, hora e local do atendimento. Então o usuário é atendido no serviço de alta complexidade em oncologia, que executa a linha de cuidado integral”, aclarou a supervisora.

Maceió e Arapiraca são os municípios polos, onde estão concentrados a Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), que trata de cânceres mais comuns, e o Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon), que trata todos os tipos de cânceres. Caso não haja diagnóstico da doença, o usuário retorna a unidade básica de saúde.

“Nós temos avançado com o mapeamento de unidades com potencial que nos ajude na regulação dos atendimentos, temos buscado diminuir o tempo de espera para a realização de exames, as investigações diagnósticas estão sendo realizadas pelos serviços de alta complexidade, melhoramos a comunicação com os prestadores de serviço. Melhorias que tem contribuído com nossos esforços pela melhoria da Rede Oncológica do Estado”, pontuou Fernanda Santos.

relacionadas

CIB