SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Técnicos de regulação médica do Samu participam de palestra sobre conflito

Imprimir esta Notícia

Texto e fotos: Arnaldo Santtos

Dando continuidade ao I Ciclo de palestra sobre ‘Desenvolvimento de Líderes e Equipe – dialogando sobre Gestão’, técnicos auxiliares de regulação médica (tarms) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) participaram de uma palestra sobre Gestão de Conflitos. O evento ocorreu no auditório do Núcleo de Educação Permanente (NEP), no bairro do Farol, onde fica a Central do Samu de Maceió.

“É muito comum haver conflitos entre colegas de trabalho devido às diferenças de personalidades. Geralmente esses conflitos afetam a produtividade de uma equipe, devido ao negativismo que se instala no ambiente de trabalho”, destacou a Coordenadora de Gestão de Pessoas do Samu, Tatiana Maria.  

Ela citou Mário Persona, que expressa que “vivemos em um mundo onde tudo depende de uma adaptação constante para podermos sobreviver. Não gostamos de nos adaptar a certas situações, mas precisamos.” Daí, segundo ela, conflito é uma situação que envolve um problema, uma dificuldade, e pode resultar posteriormente em confrontos, geralmente entre duas partes ou mais, cujos interesses, valores e pensamentos observam posições absolutamente diferentes e opostas.

De acordo com a coordenadora, existem vários tipos de conflitos: o pessoal, que é não saber lidar consigo mesmo; ser indeciso,  ser instável, é um contraste do que pensa e faz. Há também o conflito interpessoal, é quando duas ou mais pessoas visualizam de forma diferentes, além do conflito organizacional, que depende da dinâmica organizacional, das mudanças e das indefinições resultantes da própria ausência de mudanças.

Vários são os fatos que geram conflitos, alguns deles são: ambiquidades de papeis (muito comum nas empresas), objetivos concorrentes, recursos limitados e compartilhados, interdependência de atividades, mudanças, dentre outros.

Mas existe conflito bom. Segundo ela é quando induz a novas maneiras de se trabalhar; buscam novos recursos e novas metodologias de relacionamento no trabalho. Isso é extremamente positivo numa organização, destacou.

O conflito ruim é quando causa o estresse; distrai e desmotiva as pessoas a compartilhar seus proplemas com a outra parte; fragmenta a equipe e tira o foco dos objetivos do trabalho que é realizado no dia a dia.

Segundo Tatiana Maria, 10% dos conflitos são causados por diferença de opinião e 90% é devido ao tom de voz errada que a pessoa fala. “Ninguém é obrigado a gostar de ninguém, mas existe uma coisa chamada respeito e é necessário colocar em prática para que o trabalho com os colegas seja realizado com profissionalismo”, destacou a coordenadora.

Para a técnica auxiliar de regulação médica (tarm) Fernanda Omema, a palestra foi muito esclarecedora, principalmente porque ficamos sabendo como lidar e como identificar os conflitos não só no local de trabalho como também nas relações com a família.

Gabriella Alves, também tarm, disse que aprendeu que através da resolução de um conflito podemos melhorar o relacionamento interpessoal e assim executar o serviço de forma mais satisfatório.

relacionadas