SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Médico do Samu orienta sobre o que fazer em casos de engasgo

Imprimir esta Notícia
 
 
 
Repórter: João Victor Barroso
Repórter Fotográfica: Carla Cleto

 

Engasgar é uma situação em que todos estão sujeitos a passar, principalmente durante as refeições. Mas você sabe o que fazer quando isso acontece? O médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Arnon Alves, orienta sobre as medidas a serem adotadas quando esse incidente ocorrer.

Caracterizado como um problema que atinge a epiglote, válvula responsável pelo fechamento da traqueia, que direciona o alimento para o esôfago, o engasgo acontece quando um alimento ou líquido acaba bloqueando a passagem de ar. Nesses casos, caso a vítima não consiga desengasgar sozinha, é necessário receber socorro imediatamente, segundo o médico do Samu.

“Em casos de engasgo, a vítima deve ser socorrida imediatamente, para poder reverter o quadro da maneira mais rápida possível e, assim, evitar que o cérebro fique muito tempo sem receber oxigênio. Por isso, se o problema não conseguir ser solucionado, o Samu pode ser acionado por meio do telefone 192, para que sejam repassadas orientações de como se proceder com a vítima do engasgo”, explicou Arnon Alves.

Quando o Samu é acionado, em situações de engasgo, as primeiras informações passadas pelo solicitante são fundamentais. Isso irá auxiliar o médico regulador na orientação sobre os primeiros socorros e qual procedimento deve ser adotado, antes da chegada da ambulância.

Os primeiros minutos são fundamentais para o restabelecimento da vítima, como explica Arnon Alves. Existem dois tipos de técnicas que os médicos do Samu orientam a população a fazer em situações de engasgo, sendo uma específica para recém-nascidos e outra para as demais faixas etárias, a partir de 1 ano. “Quando um bebê se engasga, geralmente com leite após a amamentação, devemos desobstruir as vias aéreas. Para isso é necessário colocar o peito do bebê repousado em uma mão um pouco inclinada; com a outra mão é necessário bater nas costas do bebê até o alimento ser expelido”, orientou o médico do Samu.

Outra técnica recomendada para as demais faixas etárias é conhecida como manobra de Heimlich, onde uma pessoa deve abraçar a vítima engasgada por trás. “Além disso é necessário apertar com as mãos na altura do abdômen, de baixo para cima, fazendo pressão no diafragma, para que haja a liberação das vias aéreas, expulsando o alimento ou objeto que esteja bloqueando a passagem do ar”, explicou Arnon Alves.

Momento Angustiante 

Foi com a manobra de Heimlich, que Ana Luiza Gaia, 14 anos, teve seu quadro de engasgo revertido, no dia 30 de dezembro de 2017. “Eu tinha acabado de tomar café da manhã e estava escovando os dentes, quando tive uma forte tosse. Isso acabou fazendo com que vomitasse, e quando fui tossir novamente, uma parte do alimento ficou presa na garganta e me engasguei”, lembrou a adolescente.

Ana Luiza ainda contou que estava sozinha no banheiro, quando de repente a mãe dela entrou no cômodo, percebeu o problema da filha, e começou a bater desesperadamente nas costas da menina. Foi nessa hora que a irmã da garota, estudante de Educação Física, viu o que estava acontecendo.

“Minha irmã já teve aula de primeiros socorros na faculdade e disse para minha mãe parar de fazer aquilo, que não era a maneira certa de se proceder. Nessa hora meu pai entrou e precisou fazer duas vezes a manobra de Heimlich, para que eu pudesse voltar ao normal”, disse a garota. 

A jovem lembra que ficou entre um minuto e meio a dois naquela situação angustiante. “Eu cheguei a pensar que iria morrer. Já estava ficando roxa, mas depois que meu pai me salvou com essa técnica, aos poucos fui ficando normal e não precisei de nenhum outro tipo de atendimento médico”, disse.

Alerta 

De acordo com o médico do Samu, em situações de engasgo, uma pessoa não pode ficar mais do que quatro minutos engasgada. Com falta de oxigenação no cérebro, a vítima pode acabar desenvolvendo um quadro mais grave, e causando alguma sequela.

“A maioria das pessoas consegue ficar até 4 minutos sem oxigênio, antes de perder a consciência. Caso ultrapasse esse tempo, a vítima pode ter uma parada cardiorrespiratória, desenvolver algum tipo de sequela, como uma isquemia cerebral, pela baixa oxigenação, ou até morrer por asfixia”, explicou o médico do Samu Maceió.

Atendimento no local 

Mesmo com as orientações passadas pelo telefone, ambulâncias do Samu são liberadas para fazer o atendimento. Quando a equipe de socorro chega ao local e encontra  o paciente respirando normalmente, os profissionais procuram saber com o que a pessoa estava engasgada.

“No caso de alimentos sólidos, a comida sai por completo da vítima, já com alimentos líquidos ou pastosos, o profissional orienta fazer a limpeza do resto de alimento da boca do paciente. Se a vítima estiver sonolenta, os próprios socorristas fazem a limpeza, pois existe a possibilidade de um novo engasgo”, explicou Arnon Alves.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em Alagoas funciona durante os sete dias da semana, 24 horas por dia e suas unidades de suporte básico, suporte avançado, motolância e o serviço aeromédico, devem ser acionados pelo número 192.

relacionadas

CIB