SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Sesau promove testagem rápida de HIV e sífilis em Maceió

Imprimir esta Notícia
 
 
 
Repórter: Marcel Vital
Fotos: Ascom Sesau
 

Em alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta quinta-feira (8), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) levou ao Hipermercado Walmart, na Gruta de Lourdes, ações para ampliar o acesso das mulheres à assistência em saúde. Entre elas, a prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e a gravidez não planejada, aumentando a autoestima e o vínculo da pasta com a comunidade.

Na ocasião, foram realizados 344 testes rápidos para HIV (TRD), hepatite B e C e sífilis, com a sorologia informada em aproximadamente 40 minutos. Ao final, foram detectados quatro resultados positivos para sífilis.

Os testes rápidos para diagnóstico da infecção pelos vírus foram compostos por três etapas: o pré-aconselhamento, que consistiu na coleta de sangue; a análise do resultado e laudo; e o pós-aconselhamento, em que foi feita a entrega do resultado com orientações para o plano de prevenção da usuária e encaminhamento para os Centros de Referência Especializados no tratamento, quando necessário.

Também foram entregues folders educativos e sacolinhas de lixo personalizadas para serem usadas nos carros. Além disso, as primeiras 20 mulheres que fizeram a testagem rápida receberam protetores solares para a janela da frente do automóvel, que protegem contra os raios solares e o excesso de claridade.

A coordenadora do Programa de Combate às ISTs e Hepatites Virais da Sesau, Sandra Gomes, disse que a ação teve como objetivo chamar a atenção das mulheres para o uso do preservativo, bem como facilitar o exercício da autonomia sexual. De acordo com ela, o uso da camisinha feminina significa liberdade de escolha, o que aumenta a capacidade de negociação da mulher entre o preservativo feminino ou masculino com seu parceiro, ao longo do ato sexual.

“O preservativo feminino precisa estar no dia a dia das mulheres e dos homens. Não pode ser visto com desconfiança e a informação é a chave para estimular o uso. Pois ainda há muitos tabus em torno do preservativo feminino, muitos deles relacionados à autonomia das mulheres”, afirmou.

Sandra Gomes ressalta que ainda há um trabalho árduo a ser feito para que o preservativo feminino possa ser popularizado como mais uma alternativa de prevenção ao HIV, sífilis e outras ISTs, como também da gravidez não planejada. “Temos ampliado as ações para estimular o uso com a realização de campanhas, oficinas nos municípios e ampliação do quantitativo distribuído ano a ano e também com o aumento da oferta”, ressaltou.

Segundo a coordenadora do Programa de Combate às ISTs e Hepatites Virais da Sesau, entre as vantagens do preservativo feminino estão a de ser mais fino, por ser feito de borracha nitrílica, podendo ser usado também por pessoas alérgicas ao látex. Outra vantagem do método contraceptivo é que ele pode ser colocado algumas horas antes da relação sexual; além de ser bem lubrificado, o que proporciona às mulheres maior conforto e prazer durante a relação sexual. A camisinha feminina também pode ser usada durante o período menstrual, já que evita o contato com o fluxo sanguíneo durante o ato sexual.

Como Usar

O preservativo feminino é bem maior que o masculino, pois envolve todo o colo de útero e os grandes lábios; tem aproximadamente 15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro e possui dois anéis flexíveis. Um é móvel e fica na extremidade fechada, servindo de guia para a colocação do preservativo no fundo da vagina. O segundo, na outra ponta, é aberto e cobre a vulva (parte externa da vagina).

relacionadas

CIB