SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

HGE alerta sobre os cuidados para prevenir o colesterol alto

Imprimir esta Notícia

Repórter: Thallysson Alves

Repórteres Fotográficos: Carla Cleto e Thallysson Alves

Foi uma dor no peito que irradiava para as costas e que pela terceira vez levou o marceneiro Jaldiran Ferreira, de 37 anos, para o Hospital Geral do Estado (HGE). Em todos esses episódios ele esteve à beira de sofrer um Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), causado pelo colesterol em níveis acima do normal. O problema, cujo dia nacional de combate ocorre nesta quinta-feira (8), é resultado de péssimos hábitos alimentares, hereditariedade e histórico de tabagismo, todos inclusos entre os fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

Segundo o Ministério da Saúde, o colesterol alto ocorre, quando as taxas no sangue do tipo LDL (lipoproteína de baixa densidade) estão acima de 110 mg/dl, gerando o alto risco de IAM e Acidente Vascular Cerebral (AVC). O colesterol visto como bom é o do tipo HDL (lipoproteína de alta densidade), que age limpando as artérias e levando o LDL de volta para o fígado.

“O excesso de colesterol é provocado principalmente por uma deficiência na função do fígado. Quando uma pessoa consome excessivamente alimentos gordurosos, por exemplo, o fígado produz mais colesterol do que o normal. É a partir desse acréscimo que o fígado lança também mais LDL, que pode se depositar nas artérias, formando uma placa, chamada ateroma. Vale lembrar que 70% do colesterol é produzido pelo fígado e, somente 30%, tem origem na alimentação”, explicou o médico cardiologista Acelino de Oliveira Júnior.

É o que tem acontecido com Jaldiran Ferreira. Mesmo com dois sustos, ele se desleixou na dieta e nas medicações receitadas pelo cardiologista que acompanha sua saúde. “Eu dificilmente sentia alteração da minha pressão arterial, achava que estava bem. Até que surgiu uma dor horrível no peito, tão forte que não conseguia levantar o braço”, relatou.

Jaldiran Ferreira recorda que, na primeira vez que foi atendido no HGE, ele tinha 32 anos, depois 34 e agora 37. “Estou impressionado com a agilidade e atenção que estou tendo dos profissionais. Dessa vez terei mais cuidado quando receber alta médica, pois agora a dor foi muito mais intensa do que a que senti há cinco anos”, disse o usuário.

Na Unidade de Hemodinâmica do HGE, a primeira instalada em um hospital público de Alagoas, Jaldiran Ferreira – o pai de dois filhos – foi submetido a uma nova angioplastia e cateterismo. Agora ele segue recuperação na Unidade de Dor Torácica (UDT) do HGE.

O cardiologista reforça a importância de buscar atendimento médico tão logo o corpo demonstrar que algo não está bem: aperto ou queimação no peito, acompanhado de sudorese que dura mais de 15 minutos é um sinal do início do infarto. O atendimento rápido reduz o risco de sequelas, podendo até anulá-las. Entretanto, enfatiza que o melhor é sempre prevenir: consumo de alimentos saudáveis (frutas, legumes, peixe, grãos), prática de atividades física, redução do estresse e distância do cigarro.

“O colesterol é um componente estrutural das membranas celulares, por isso está presente em órgãos importantes para a saúde, como: o coração, o cérebro, o fígado, os intestinos, os músculos, os nervos e a pele. Ele é importante para a formação de hormônios e produz o ácido biliar – muito importante na digestão de gorduras. Por isso, é essencial para o funcionamento do nosso corpo, desde que esteja em níveis controlados”, pontuou o médico Acelino de Oliveira Júnior.

relacionadas

CIB