SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

Samu orienta sobre prevenção de acidentes domésticos com crianças

Imprimir esta Notícia

Repórter: João Victor Barroso

Repórteres Fotográficos: Arnaldo Santtos, Carla Cleto e João Victor Barroso

Qual o pai que nunca flagrou um filho colocando o dedo na tomada, mexendo no cabo de uma panela sobre o fogão ligado ou subindo em um móvel? Situações como estas podem provocar sérios acidentes domésticos, deixando sequelas e, nos casos mais graves, levando à morte. O alerto é da médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Sandra Gico, que durante palestra na Creche Municipal Francisco Mello, no bairro Dique Estrada, em Maceió, orientou sobre como evitar incidentes desta natureza.

A médica do Samu Alagoas orientou que, além de redobrar a atenção com os pequenos, principalmente àqueles que estão engatinhando, é necessário colocar protetores nas tomadas, virar o cabo das panelas para a parte interna do fogão e não deixar cadeiras ou objetos que permitam a criança escalar para subir em móveis altos, de onde possam cair. Sandra Gico também recomenda que não se deve deixar objetos pequenos pelo meio da casa, evitando que a criança possa engoli-los ou colocá-los no nariz ou ouvido, assim como acontece com brinquedos que soltam pequenas peças.  


A médica do Samu Alagoas orientou que, além de redobrar a atenção com os pequenos, principalmente àqueles que estão engatinhando, é necessário colocar protetores nas tomadas, virar o cabo das panelas para a parte interna do fogão e não deixar cadeiras ou objetos que permitam a criança escalar para subir em móveis altos, de onde possam cair. Sandra Gico também recomenda que não se deve deixar objetos pequenos pelo meio da casa, evitando que a criança possa engoli-los ou colocá-los no nariz ou ouvido, assim como acontece com brinquedos que soltam pequenas peças.  

“Entre as técnicas que ensinamos, mostramos a manobra de Heimlich, que é a maneira correta para desengasgar recém-nascidos. Ela é utilizada em casos de emergência por asfixia, provocada por um pedaço de comida ou qualquer tipo de corpo estranho, que fique entalado nas vias respiratórias, impedindo a pessoa de respirar. Nela, se utiliza as mãos para fazer pressão sobre o diafragma da pessoa engasgada, o que provoca uma tosse forçada, que faz com que o objeto seja expulso dos pulmões”, explicou a médica Sandra Gico.

No caso de um bebê engasgado com algum objetivo ou alimento, é necessário deitar a criança sobre o braço e com a cabeça um pouco mais baixa que o tronco, observando se existe algum objeto em sua boca que esteja impedindo a respiração. “Mas, caso a criança continue engasgada deve-se incliná-la, com a barriga sobre o braço, com o tronco mais baixo que as pernas, e dar cinco palmadas com a base da mão nas suas costas. As técnicas devem ser feitas imediatamente para não deixar o cérebro muito tempo sem oxigênio, o que pode causar danos irreversíveis”, salientou a médica do Samu Alagoas.

“Entre as técnicas que ensinamos, mostramos a manobra de Heimlich, que é a maneira correta para desengasgar recém-nascidos. Ela é utilizada em casos de emergência por asfixia, provocada por um pedaço de comida ou qualquer tipo de corpo estranho, que fique entalado nas vias respiratórias, impedindo a pessoa de respirar. Nela, se utiliza as mãos para fazer pressão sobre o diafragma da pessoa engasgada, o que provoca uma tosse forçada, que faz com que o objeto seja expulso dos pulmões”, explicou a médica Sandra Gico.

No caso de um bebê engasgado com algum objetivo ou alimento, é necessário deitar a criança sobre o braço e com a cabeça um pouco mais baixa que o tronco, observando se existe algum objeto em sua boca que esteja impedindo a respiração. “Mas, caso a criança continue engasgada deve-se incliná-la, com a barriga sobre o braço, com o tronco mais baixo que as pernas, e dar cinco palmadas com a base da mão nas suas costas. As técnicas devem ser feitas imediatamente para não deixar o cérebro muito tempo sem oxigênio, o que pode causar danos irreversíveis”, salientou a médica do Samu Alagoas.

Constatação – Situação vivenciada por Maxwell Oliveira, pai da Riana Oliveira, 4 anos, que sofreu uma queimadura séria dentro de casa. “Em um momento de distração, eu acendi o fogão e não apaguei o fósforo, foi nessa hora que a Riana pegou o fósforo e passou na barriga. Foi uma queimadura bem feia, mas no momento mantive a calma e passei muita água no local”, lembrou, enfatizando que as orientações repassadas pela médica do Samu são imprescindíveis para os pais.


relacionadas

CIB