SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Governo do Estado de Alagoas

HGE defende trânsito seguro e sem álcool em qualquer período do ano

Imprimir esta Notícia

Repórter: Thallysson Alves
Repórter Fotográfico: Olival Santos e Thallysson Alves

Consumir bebida alcoólica e depois conduzir qualquer tipo de veículo está muito fora de moda. Essa é a conclusão dos servidores do Hospital Geral do Estado (HGE) durante palestra, nesta terça-feira (4), do Departamento de Trânsito de Alagoas (Detran/AL) sobre o trânsito seguro sem álcool. Entretanto, o cirurgião geral Álvaro Bulhões já adianta: essa consciência em todas as pessoas infelizmente ainda não existe.

O tenente Emanuel Costa, coordenador da Operação Lei Seca, indagou: “por que o comportamento muda quando as pessoas estão dentro do carro?”. Houve desentendidos, mas foi a partir desse questionamento que ele apresentou vários casos que incitaram a reflexão sobre como cada um tem enfrentado o trânsito, trazendo compreensão aos que incialmente não enxergaram o sentido.

“Há pessoas que são muito educadas, mas quando entram no carro, ainda que de vidro fechado, passam a falar palavrão, não têm paciência com o outro motorista, não deixam o colega entrar na frente do seu veículo. É a partir de tanta intolerância que surgem as brigas e as colisões, mesmo que sem o consumo de bebida alcóolica. Disputas que se você analisar não valem mais do que a sua própria saúde e de todos os que estão na cena”, avaliou o coordenador.

A palestra foi promovida pelo Setor Qualidade de Vida no Trabalho (SQVT) em parceria com a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) do HGE. Para a coordenadora do SQVT, Angelita Batista, o momento representou a atenção com a manutenção da vida dos servidores e a necessidade de constante cautela no trânsito, a qualquer período do dia, principalmente nos dias de festa, como no carnaval, onde é frequente o consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

“É importante que a gente não dê abertura para que esse mau alcance nossas famílias. Caso contrário será um caminho sem volta. Aqui cumprimos o nosso papel de orientar, informar, alertar. Mas na prática a diferença acontece quando cada um leva o que aprendeu para as vias, calçadas e veículos”, enfatizou Angelita.

Mais de 90% dos acidentes automobilísticos são causados por falha humana

De acordo com o tenente Emanuel Costa, mais de 90% dos acidentes automobilísticos são causados por falha humana. E cerca de 70% dos acidentes tem ligação direta com o uso do celular durante o deslocamento do veículo. Ele pede que as pessoas tenham mais consciência com os prejuízos que podem causar contra a vida, mas o cirurgião geral do HGE, que atende muitas das vítimas do trânsito na Área Vermelha Trauma, lamenta que na prática o condutor aparente ignorar, ainda que por momentos, as orientações divulgadas constantemente através das campanhas.

“Infelizmente falta muita consciência nas pessoas para a prevenção de acidentes. Usam celular durante a direção, continuam consumindo bebidas alcóolicas antes de dirigir, não estão atentos ao que acontece nas vias, não utilizam os equipamentos de proteção de forma adequada, ultrapassam a velocidade permitida e outros desrespeitos às normas do trânsito. Todos os modos são posturas evitáveis que resultam no aumento de acidentados nos prontos socorros”, reforçou o cirurgião geral, Álvaro Bulhões.

O médico acrescenta que um paciente politraumatizado, que apresenta grande parte do corpo acometido por ferimentos, pode gerar prejuízos sociais que estão muito além do financeiro e da ocupação de leitos. “É o tempo dedicado aos tratamentos, às consultas com especialistas e ao desejo de superar sequelas. É o afastamento do trabalho, da rotina; a necessidade de benefícios previdenciários. Além de muitos momentos que deixam de ser vividos por causa de um ato imprudente”, enfatizou o cirurgião geral do HGE.

Em caso de acidente de trânsito, a população deve acionar imediatamente o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) através do contato telefônico 192. Em poucos minutos uma equipe capacitada para realizar o socorro com segurança chegará ao local, onde será feito os primeiros procedimentos de emergência até a chegada ao HGE.

“Jamais deve mexer na vítima, no máximo proteger do sol ou de um agente que possa agravar a situação. Quando chegar ao HGE, o paciente será atendido rapidamente pela equipe multidisciplinar na Área Vermelha Trauma. E se for um caso mais grave, se fazendo necessário intervenção cirúrgica, a equipe médica estará de prontidão, 24h, para estabilizar a saúde. Porém, o que desejamos é que ninguém precise viver tamanha tensão”, afirmou o cirurgião geral do HGE.

relacionadas

CIB