Influenza A (H1N1)

Vers√£o para impress√£oVers√£o para impress√£oEnviar por emailEnviar por email

Acesse aqui todo conte√ļdo da Influenza A (H1N1) no Site do Minist√©rio da Sa√ļde.

T√≠tulo Conte√ļdo PERGUNTAS E RESPOSTAS - Influenza A (H1N1)

ESTRAT√ČGIA DE VACINA√á√ÉO CONTRA O V√ćRUS INFLUENZA PAND√äMICA (H1N1) 2009
INFORMA√á√ēES B√ĀSICAS ‚Äď PERGUNTAS E RESPOSTAS

1) O que é influenza A (H1N1)?
√Č uma doen√ßa respirat√≥ria aguda, causada pelo v√≠rus pand√™mico A (H1N1) 2009. Este novo subtipo do v√≠rus da influenza, do mesmo modo que os demais, √© transmitido de pessoa a pessoa, principalmente por meio da tosse ou espirro e do contato com secre√ß√Ķes respirat√≥rias de pessoas infectadas.

2) O que significa H1N1?
As letras correspondem às duas proteínas da superfície do vírus: H: Hemaglobulina  e  N: Neuraminidase. O numero 1 corresponde a ordem em que cada uma das proteínas foi registrada, significando que ambas as proteínas tem semelhanças com os componentes do vírus que já circulou anteriormente, quando da pandemia de 1918-1919.

3) Qual a diferença entre a gripe comum e a influenza pandêmica (H1N1) 2009?
Elas s√£o causadas por diferentes subtipos do v√≠rus influenza. Os sintomas s√£o muito parecidos e se confundem: febre repentina, tosse, dor de cabe√ßa, dores musculares, dores nas articula√ß√Ķes e coriza. Por isso, ao apresentar estes sintomas, seja pela gripe comum ou pela nova gripe, deve-se procurar seu m√©dico ou um posto de sa√ļde.

4) Esse vírus influenza pandêmico (H1N1) 2009 é mais violento e mata mais do que o vírus da gripe comum?
At√© o momento, o comportamento da nova gripe se assemelha ao da gripe comum. Ou seja, o v√≠rus pand√™mico (H1N1) 2009 n√£o se apresentou mais violento ou mortal, na popula√ß√£o geral. A maioria absoluta das pessoas que adoece, seja pela gripe comum, seja pela gripe pand√™mica, desenvolvem formas leves da doen√ßa e se recuperam, mesmo sem uso de medicamentos. Para ambas as gripes, pessoas com doen√ßas cr√īnicas, gestantes e crian√ßas menores de dois anos s√£o mais vulner√°veis. Mas quando consideramos a popula√ß√£o jovem previamente saud√°vel, este v√≠rus pand√™mico tem um maior potencial de causar doen√ßa grave, quando comparado com o v√≠rus da gripe comum. Por outro lado, o v√≠rus pand√™mico tem acometido menos as pessoas maiores de 60 anos. Mas ainda s√£o necess√°rios estudos mais aprofundados, que est√£o sendo¬† realizados em todo o mundo, para esclarecer o comportamento do novo v√≠rus.

5) Qual vacina será utilizada contra o vírus influenza pandêmica (H1N1) 2009?
O Minist√©rio da Sa√ļde adquiriu as doses de tr√™s laborat√≥rios: Glaxo Smith Kline (GSK), SANOFI Pasteur (em parceria com o Instituto Butantan) e Novartis. Esses laborat√≥rios s√£o fornecedores de vacinas para todos os pa√≠ses.

6) Se o processo de desenvolvimento de uma vacina costuma ser longo, como foi possível produzir a vacina pandêmica tão rapidamente?
Os laboratórios já tinham experiência com a produção da vacina contra os  vírus de influenza sazonal (vacina administrada anualmente em idosos no Brasil), e estes investiram em tecnologia num processo de preparação para a produção de uma vacina para a prevenção do vírus pandêmico (H1N1) 2009. O Brasil, por exemplo, fez investimentos na adequação do processo de produção pelo Instituto Butantan.

7) A vacina a ser utilizada no Brasil é segura?
A vacina a ser utilizada é segura e já está em uso em outros países. Não tem sido observada nesses países uma relação entre o uso da vacina e a ocorrência de eventos adversos graves.
Ressalte-se, entretanto, que a garantia da vacinação segura  está relacionada, também: (i) ao uso de seringas e agulhas apropriadas; (ii) à adoção de procedimentos seguros no manuseio, no preparo e na administração da vacina, conforme normas técnicas estabelecidas; (iii) à conservação da vacina na temperatura adequada, conforme preconizado; (iv) ao manejo e ao destino adequado dos resíduos da vacinação (seringas, agulhas etc.); e (v) à qualidade da capacitação do pessoal envolvido, bem como da supervisão ao trabalho de vacinação.
Além disso, considera-se como fundamental o monitoramento de eventos adversos associados temporalmente à vacinação, identificando-os, notificando-os, investigando-os e confirmando a sua real vinculação à vacina contra a influenza pandêmica.

8) A vacina a ser utilizada no Brasil é efetiva?
A vacina registra uma efetividade m√©dia maior que 95%. A resposta m√°xima de anticorpos se observa entre o 14¬ļ e o 21¬ļ dia ap√≥s a vacina√ß√£o.

9) Como a vacina é apresentada?
A vacina é acondicionada em frascos multidoses, contendo 10 doses. Uma dose correspondendo a 0,5 ml.
a) A do Laboratório Sanofi Pasteur/Instituto Butantan é apresentada na forma de suspensão (líquido opalescente, transparente e incolor).
b) A do Laboratório GSK vem acondicionada em dois frascos (um com a suspensão (antígeno) e o outro com a emulsão (adjuvante) - líquido esbranquiçado homogêneo), sendo preparados momentos antes da administração.
c) A da Novartis é apresentada em frascos multidoses (10 ou 17 doses), na forma de suspensão.

10)¬†Qual a quantidade de vacina adquirida pelo Minist√©rio da Sa√ļde?
O Minist√©rio da Sa√ļde adquiriu cerca de 113 milh√Ķes de doses, para administra√ß√£o na popula√ß√£o em etapas distintas.

Acesse AQUI, para ver todo conte√ļdo. Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas.

AnexoTamanho
BOLETIM DI√ĀRIO DE DOSES APLICADAS1_3_10.jpg399.77 KB
INFORME T√ČCNICO ALAGOAS.doc2.65 MB
INFORME T√ČCNICO - ANEXOS 01.doc128.5 KB
INFORME T√ČCNICO - ANEXOS 02.doc79.5 KB
PLANILHA TRABALHADORES DE SA√öDE.doc227 KB
PROTOCOLO DE VIGILANCIA EAPV H1N1_01_03_2010[1].pdf492.83 KB
TABELA COM POPULAÇÃO VACINAR alagoas, ATUALIZADA EM 02 MARÇO 2010.xls1.26 MB
protocolo_ve_influenza_04_03_10.pdf607.56 KB
publicacao-h1n1.pdf132.79 KB
protocolo_manejo_influenza_10_03_10.pdf445.92 KB