Profissionais municipais discutem estratégias para Escolas Promotoras da Saúde

A ação Escolas Promotoras da Saúde está presente em 17 municípios alagoanos
Foto: Ascom / Saúde
Profissionais municipais discutem estratégias para Escolas Promotoras da Saúde
O evento foi destinado a profissionais da Saúde e Educação.
Repórter:
Danielle Cândido

Para esclarecer a importância dos hábitos salutares e ambientes seguros para a comunidade, a Promoção da Saúde Estadual realizou, nesta quinta-feira (2), o encontro Escolas Promotoras da Saúde: tecendo redes para Promoção da Saúde e Educação. O evento, que aconteceu no auditório do Maceió Mar Hotel, foi destinado a profissionais da Saúde e Educação. 

A capacitação tem o objetivo de habilitar profissionais e torná-los multiplicadores na proposta de Escolas Promotoras de Saúde, baseada nos sete princípios da Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS), que envolve a Alimentação Saudável, Práticas Corporais / Atividade Física, Tabagismo, Álcool e Outras Drogas, Acidentes de Trânsito, Cultura de Paz e Desenvolvimento Sustentável.

De acordo com a assistente social Michele Gama, da Promoção da Saúde Estadual, a ação Escolas Promotoras da Saúde está presente em 17 municípios alagoanos, os quais possuem mais de 40 mil habitantes. Há dois anos é realizado o encontro de formação, como também fóruns, congressos e demais atividades destinada aos 102 municípios alagoanos.

“A Promoção da Saúde é uma das estratégias para buscar a melhoria da qualidade de vida da população, com o objetivo de produzir a gestão compartilhada, produzindo autonomia e co-responsabilidade. A Política Nacional de Promoção da Saúde dá diretrizes e aponta estratégias de organização das ações de promoção da saúde em relação à gestão do Sistema Único de Saúde para garantir a integralidade do cuidado”, explicou a assistente social.

Durante a abertura do encontro, a diretora da Promoção da Saúde Estadual, Eliana Padilha, esclareceu que as ações das Escolas Promotoras da Saúde estão relacionadas a uma atuação integrada e intersetorial. “A escola tem o poder, e não só o trabalho, de fazer diferente com os alunos. Por isso, pais, profissionais da Saúde e Educação e sociedade civil precisam se mobilizar para garantir uma saúde além da assistência médica”, proferiu.

A psicóloga Maria José Castro, mestre em Saúde Pública, proferiu a palestra de abertura sobre a inclusão da Política Nacional de Promoção da Saúde no planejamento escolar. Segundo ela, Saúde não é apenas direito à assistência médica, e sim, uma ação integral.

“O direito à Saúde abrange ainda um ambiente saudável, por mais que o conceito hegemônico relacione saúde à doença. Por essa razão, ao pensar ações conjuntas, é preciso que pais, profissionais da saúde, professores e estudantes acreditem num mundo melhor”, disse.

Durante a capacitação, foram abordados ainda temas como bullying e comportamento emocional e cultura da paz, além da oficina sobre abordagem prática para o combate as drogas e violência na escola.



Fonte: Ascom / Saúde


Outras Imagens

Profissionais municipais discutem estratégias para Escolas Promotoras da Saúde
Profissionais municipais discutem estratégias para Escolas Promotoras da Saúde
Profissionais municipais discutem estratégias para Escolas Promotoras da Saúde
Profissionais municipais discutem estratégias para Escolas Promotoras da Saúde

O desafio de fazer saúde

Feijão com Arroz no Prato

Boletins

Número do Boletim: 03/2014
Número do Boletim: Sem_13_2014
Número do Boletim: Nº1_2014
Número do Boletim: 1_2014

Doc Técnico

Arquivos anexos: intersetorializacao_-_atencao_basica_e_promocao_da_saude_7_pag__3_de_referencias.pdf
Arquivos anexos: palestra_sobre_bullying_-_encontro_eps.pdf, atividades_do_nucleo_para_reuniao.ppt
Arquivos anexos: Ações Específicas da Política Municipal de Promoção da Saúde e Vigilâncias às DANTS.pdf
Arquivos anexos: ANÁLISE DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS e violência DO MUNICÍPIO DE RIO LARGO REFERENTE AO PERÍODO DE 2000 A 2007.pdf, MORBIMORTALIDADE POR DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO E DIABETES DE 2003 A 2009..pdf, RELATÓRIO DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS.pdf

Legislação