Secretaria de Estado
da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde
Pesquisar
Close this search box.

Linhas de Cuidado

O que são?

Descrevem rotinas do itinerário do paciente, contemplando informações relativas às ações e atividades de promoção, prevenção, tratamento e reabilitação, a serem desenvolvidas por equipe multidisciplinar em cada serviço de saúde.

Objetivo

Descrever os pontos de atenção da Rede de Atenção à Saúde – RAS, estruturando e fortalecendo a continuidade do cuidado às pessoas e definir um modelo de assistência e ações de vigilância necessárias para manter e promover saúde, prevenindo outras doenças e agravos.

Linha de Cuidado da Hanseníase

Objetivos Específicos

  • Implantarfluxos assistenciais nos três níveis de atenção;
  • Organizar a Rede Assistencial à pessoa acometida pela Hanseníase, garantindo integralidade do cuidado e atenção à saúde;
  • Promover ações e atividades para o enfrentamento da Hanseníase no estado de Alagoas;
  • Implementar, organizar e apoiar os serviços de forma integrada com as Redes de Atenção à Saúde;
  • Orientar na execução das ações de promoção, prevenção, controle e recuperação da hanseníase.

Introdução

A Hanseníase é doença infecciosa de evolução crônica, de notificação compulsória em todo território nacional, de investigação obrigatória, com comportamento insidioso, podendo promover incapacidades funcionais permanentes, gerando exclusão, estigma e preconceito. Está presente de forma importante em contextos sociais e geográficos que têm em comum o clima tropical, a exclusão social, a escassa oferta de serviços de saúde bem como a fragilidade no enfrentamento da doença na atenção primária à saúde.

É uma patologia de registro milenar que possui cura, com tratamento e acompanhamento ofertado no Sistema Único de Saúde (SUS), tendo nas redes de atenção em saúde (RAS) ações voltadas para: busca ativa para detecção precoce dos casos, tratamento oportuno, prevenção e tratamento das incapacidades, reabilitação, manejo das reações hansênicas e dos eventos pós-alta; investigação dos contatos de forma a interromper a cadeia de transmissão, além da formação de grupos de autocuidado.

Em Alagoas, dentre os 102 municípios, 60 registraram casos novos em 2018, totalizando (N=356) e quando observado os últimos 5 anos fechados, que compreende de 2014 a 2018, a soma desses casos representam (N=1.610). Saliente-se, que nesse mesmo período, 11 municípios não registraram casos da doença, o que leva a um questionamento sobre as reais causas desse silêncio.

Ao analisar o ano de 2018, 82,5% dos casos novos foram avaliados quanto à presença de incapacidade física, destes 8,5% possuíam grau de incapacidade física 2 (GIF 2 – deficiências visíveis) no momento do diagnóstico, um resultado 63% maior quando comparado aos casos novos de 2014. Ainda sobre 2018 é importante observar que (56%) dos casos foram avaliados no momento da cura quando ao grau de incapacidade física, sendo a menor proporção dentre todos os anos avaliados.

A taxa de detecção entre menores de 15 anos em 2018 é de (3,1/100 mil em hab.) considerada alta, segundo os parâmetros vigentes (Alto: 2,5 a 4,9/100.000 hab.), demonstrando a transmissão ativa em nosso meio, uma vez que a ocorrência da doença neste grupo etário evidencia a transmissão recente, requerendo, portanto, maiores esforços com vistas à eliminação da doença.

Em Alagoas, dentre os 102 municípios, apenas 53 registraram casos novos de hanseníase em 2020, totalizando 216 casos. No ano de 2021, 47 municípios registraram, até o momento, um total de 127 novos casos (dados tabulados em 10/08/2021. Fonte: SESAU/SUVISA/SINAN-AL/Área Técnica Estadual de Vigilância e Eliminação da Hanseníase) e o restante dos municípios não apresentam nenhuma notificação. Constatando a necessidade de ampliar as discussões e qualificar as informações acerca da Hanseníase no estado de Alagoas foi criado um grupo de trabalho para alinhar fluxos e protocolos que garantam diagnóstico, tratamento e monitoramento dos pacientes acometidos pela Hanseníase.

No entanto, persistem obstáculos importantes ao efetivo controle da hanseníase, podendo citar exemplos reais: baixa adesão das equipes de saúde da família para fechamento de diagnóstico em tempo hábil e seguimento do tratamento, ausência de educação em saúde para a população, ausência da oferta de serviços humanizados pelos profissionais de saúde e o estigma associado à hanseníase.

Todas essas condições corroboram com a necessidade de um aporte de recurso para que possa ser promovida uma maior intervenção quanto ao diagnóstico precoce, bem como do acompanhamento dos casos ao longo de todo o tratamento, exigindo uma atuação mais firme junto aos profissionais de saúde em termos de capacitação, atualização, supervisão e apoio técnico às equipes, bem como da oferta de acesso permanente aos serviços nos diversos níveis de atenção.   

A atenção à pessoa com hanseníase, suas complicações e sequelas, deve ser oferecida em toda a Rede de Atenção à Saúde (RAS) do Sistema Único de Saúde (SUS), de acordo com a necessidade de cada caso obedecendo aos princípios básicos do SUS.

Listagem nominal de componentes do GT

Pode ser localizado no arquivo “LC de Hanseníase.Final”. Fluxo assistencial:

Arquivos para download

Resolução CIB

Grupo de Trabalho - GT

O grupo de trabalho (GT) da linha de cuidados da Hanseníase em Alagoas foi instituído através da portaria estadual nº 6.198, publicada em 27 de setembro de 2019, onde se iniciou as discussões e elaboração da linha de cuidado da hanseníase na rede de atenção à saúde. No entanto, devido à pandemia no ano de 2020 as reuniões do GT foram suspensas, retomando as discussões e encontros em fevereiro de 2021. Composta, atualmente, pela equipe listada abaixo:

  • Sylvana Medeiros Torres (Gerente de Ações Estratégicas – GAEST/SESAU);
  • Apolonio de Carvalho Neto Nascimento (Ass.Técnica – GAEST/SESAU);
  • Morgana de Medeiros Silva Melo (Ass.Técnica – GAEST/SESAU);
  • Maria da Soledade dos Santos Neta (Ass.Técnica – GAEST/SESAU);
  • Katiuscia Viana da Silva (Supervisora de Cuidados à Pessoa com Deficiência – SUPED/GAEST/SESAU);
  • Júlia Maria Fernandes Tenório Levino (ASAPAE/SUAS/SESAU);
  • Josefa Cláudia Gomes Figueiredo (Ass.Técnica – SUAS/SESAU);
  • Diego Pereira Gonçalo da Hora (Gerente de Vigilância e Controle de Doenças Transmissíveis – GEDT/SESAU);
  • Itaniely Gomes Queiroz (Programa Hanseníase – GEDT/SESAU);
  • Isolda Maria Wanderley Couto Lima (Programa Hanseníase – GEDT/SESAU);
  • Alexandra Amélia Ludugero (Gerente de Atenção Primária – GAP/SESAU);
  • Lúcia Maria Aciole de Brito (Ass.Téc. da GAP/SESAU);
  • Viviane Pereira da Silva (SUACTAPS – GAP/SESAU);
  • Lígia Angélica Santos da Silva (Ass. Téc. Da GAP/SESAU);
  • Maryanna de Kassia Só Calheiros (SUACTAPS – GAP/SESAU);
  • Ana Luiza Pontes Carnaúba Santos (SUACTAPS – GAP/SESAU);
  • Sandra Torres de Oliveira (SMS de Maceió);
  • Quitéria Vânia Bernadino Barbosa (Coord. Hanseníase/ SMS de Maceió);
  • Ednalva Maria de Araújo Silva (C. GAP/ SMS de Maceió);
  • Elaine do Nascimento Silva (GAP/ SMS de Maceió);
  • Ilana Thayná Souza Rocha (GAP/ SMS de Maceió);
  • Maria Salésia Moreira da Silva (Coord. Programa de controle de Hanseníase e Tuberculose-SMS de Arapiraca);
  • Katheleen Moura dos Santos (Ass. Téc. Do COSEMS).

Contatos

Gerência de Ações Estratégicas – GAEST/SUAS
Ramal: 3315.1140
Email: gaest.sesau@gmail.com
Gerente: Sylvana Medeiros Torres

Gerência de Atenção Primária – GAP/SUAS
Ramal: 3315.2874
Email: gap.sesau@saude.al.gov.br
Gerente: Alexandra Ludugero

Gerência de Controle e Vigilância de Doenças Transmissíveis – GEDT/SUVISA
Ramal:3315.1663
Email: hanseníase.al@hotmail.com
Gerente: Diego P. Gonçalo da Hora

Linha de Cuidado do Pé Torto

Pé torto congênito (PTC) é uma alteração ortopédica que ocorre na fase embrionária. Um pé com desenvolvimento normal se torna um pé torto durante o segundo trimestre de gestação; por isso, é raramente detectado com ultrassonografia antes da 16ª semana de gestação. O pé torto é uma deformidade do desenvolvimento.

Para acessar a linha de cuidado do pé torto clique aqui.

Resolução CIB

Linha de Cuidado de Síndromes Congênitas

Zika Vírus

Para acessar a linha de cuidado do Zika Vírus clique aqui.

STORCH e Zika Vírus

Para acessar a linha de cuidado STORCH e Zika Vírus clique aqui.

Resolução CIB

Linha de Cuidado de Oncologia

Para acessar a linha de Oncologia clique aqui.

Resolução CIB

Obesidade e Sobre Peso

Saúde

Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas

Av. da Paz, 978 – Jaraguá, Maceió – AL, 57022-050.
+55 82 3315-1102
Desenvolvido pela Gerência Executiva de Tecnologia da Informação
Governo do Estado de Alagoas ©2020-2022

Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas

Menu

Mídias Sociais